ESTUPRO VIRTUAL

a tecnologia ultrapassando a humanidade

  • Bárbara Lima Alves
  • Gabryela Haddad
  • Isabelli Alboreli Firmino Vianna Júnior
  • Tais Detoni Bittencourt
Palavras-chave: ESTUPRO VIRTUAL. TECNOLOGIA. INTERNET. PRIVACIDADE. CÓDIGO PENAL.

Resumo

        O presente artigo tem como propósito retratar o estupro virtual e analisar as consequências desse crime na vítima e a eficácia da lei no que tange as premissas processuais para punir o criminoso. A metodologia utilizada para realizar o estudo foi baseada em pesquisa bibliográfica, documental, artigos científicos, análise jurisprudencial e de reportagens acerca dessa temática. Sob esse viés, o estudo com base na alteração do Código Penal, conclui que houve uma ressignificação da palavra estupro, que ganhou maior abrangência com o uso prolongado e intensivo das redes sociais, passando a abarcar como estupro, a não necessidade de contato físico entre a vítima e o agressor, mas também a ameaça de publicar imagens íntimas da vítima, caso ela não fotografe ou filme momentos particulares dela e envie para o delinquente. O delito pode causar diversas enfermidades às vítimas, como depressão e crise do pânico, além de levar muitas delas a cometer suicídio. Dessarte, o preconceito enraizado na sociedade faz com que elas não consigam realizar a denúncia por medo, vergonha, falta de apoio e de conhecimento sobre outros casos de estupro semelhantes ou até mesmo por serem julgadas nas delegacias.

Publicado
18-10-2019